sábado, 29 de novembro de 2008

Vida a preço de saldos

Crucificação, de Francis Bacon (1965)


Deve ser a isto que chamam de espírito natalício. Duzentas pessoas cheias de fé nos saldos. Carne a correr, quilos e quilos de carne a correr. O espezinhamento dos valores éticos. Uma morte oficial. Causa do óbito: consumismo.

[Os outros, os da multidão, já estão mortos, mas ainda não sabem].

2 comentários:

ivan disse...

nestas alturas torno-me stalinista durante uns minutos, para poder digerir melhor a notícia, e pensar que há determinados sistemas que não permitem uma atrocidade destas.


morrer por causa da febre consumista, numa situação destas, causa-me náusea, faz-me ter nojo da humanidade e da sua natureza estúpida e institiva.

humans after all.

Sininho disse...

Acredito que visitar lojas nesta época do ano não seja muito simpático..contudo ainda não comprei nenhuma prenda de natal ..nem me perdi nos centros comerciais..beijinhos