sexta-feira, 30 de julho de 2010

Dentro

Imagem de Laurie Simmons


Viver o cancro, morrer de cancro. Tenho medo da possibilidade. Dói-me, dentro da própria dor, ver também quem amo sofrer de cancro. Tenho medo. E só se espanta esse medo com o que é eterno. E eterno é o amor. Sim, o amor. Aquele amor inquebrável que, perante as adversidades, se fortalece. Porque esse amor existe. É obsceno, este amor: humilha quem vive relações de faz de conta.

A vida pode querer esboroar a fé no amor, pondo-nos à frente dos olhos relações em estilhaços. Multiplicam-se os finais de relações, nossas, dos outros ou de aqueloutros. Mas eu continuo a acreditar no amor. Não com a ingenuidade dos 19 anos, mas com a romântica lucidez dos 32.

Quero um amor como o dos meus pais. E quero que, um dia, um filho me abrace como eu abraço a minha mãe. E refile preocupadamente comigo como eu faço com o meu pai.

Saber que moramos no peito de alguém, saber que no abraço desse alguém nos sentimos em casa, sentir que, em redor do outro, podemos desvelar intimidade...haverá alguma coisa, além disto, que dê verdadeiro sentido à vida?



6 comentários:

Miguel disse...

Além disso, só cuidar dos filhos...

Miguel Marujo disse...

é urgente e incondicional esse amor.

Poetic GIRL disse...

Eu também espero isso mesmo sinceramente... bjs

Joana disse...

Sim, esse é o verdadeiro sentido da vida.

Vanessa disse...

um grande aperto na garganta depois de ler e reler este texto.

(...)

o amor que ultrapassa dores e enfrenta tudo. só quem o vive por dentro, mesmo.

*

JORGE GOURGEL disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.