segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Banalização do mal

Imagem de Federico Bebber


Um imigrante indiano está hospitalizado em Roma depois de ter ficado gravemente queimado na madrugada de domingo, quando três jovens, incluindo um menor, o atacaram enquanto dormia na estação de comboio de Nettuno, no litoral a Sul da capital de Itália. “Regámo-lo com gasolina só para nos divertirmos. Queríamos saber quanto durava e era-nos indiferente se ele era negro ou romeno”, afirmou um dos jovens detidos.

Os três explicaram à polícia que queriam “experimentar algo novo” e foi “por diversão” e sem planearem que queimaram o jovem sem-abrigo de 35 anos, cita o site do diário espanhol El Mundo. O responsável dos carabineiros da região, Vittorio Tomasone, afirmou à agência Ansa que os agressores “não parecem ter agido por xenofobia”.


[o2.02.2009, Público online]

3 comentários:

José Carlos Marques disse...

Agora falta saber se o mal foi banalizado, ou se foi banalizada a comunicação. Hoje em dia as coisas chegam-nos muito mais rapidamente. Sempre ouvi falar de skinheads que queimavam os negros. E de desalojados assassinados. provavelmente em muitos desses casos também existiram jovens que se justificaram da mesma forma que estes. Mas a comunicação de hoje permite-nos ser muito mais "linguarudos".

Violet disse...

e queimarem-lhes as mãozinhas...assim, só por diversão?

raquel disse...

José Carlos Marques, as coisas chegam-nos mais rapidamente. Ampliaram-se as fontes de informação e a rapidez no acesso a elas, sim [abençoada internet, que democratizou o acesso à informação]. As coisas chegam-nos mais rapidamente e também se volatilizam com igual rapidez. Por isso, decidi postar essa notícia. E porque o mal ainda me espanta. Por muitos males que vá conhecendo...

Violet, queimar as mãozinhas e as pestaninhas já agora...