segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

Lucidez

Imagem de Helena Almeida

«Aprendi com os jornalistas que me fazem acreditar no jornalismo que ser repórter é ir ver e ouvir sobretudo o que ninguém está a ver e ouvir. Aprendi vividamente em Israel - com amigos, na imprensa, nos livros de escritores como David Grossman ou Amos Oz - que a lucidez é uma obrigação dos fortes, particularmente daqueles que já foram fracos. (...)

E é por tudo isto que fazer da defesa de Israel a origem e a moral de uma semana de bombardeamentos da Faixa de Gaza me parece do domínio da obscenidade. E uma obscenidade que fazemos nossa - nós, os cristãos, os compassivos, que bebemos o sangue de Cristo e tanta culpa carregamos, da Inquisição, do Holocausto, de sermos cúmplices por pensamentos, palavras, actos e omissões».


Artigo de opinião de Alexandra Lucas Coelho, na edição de hoje do Público. Imperdível ler na íntegra.

1 comentário:

Luis Serpa disse...

O texto é realmente bom - e, tão importante, bonito. Mas não partilho nem uma vírgula dele. Obsceno é o Hamas.

Infelizmente isto é uma discussão sem fim, creio.